EUA vetam proposta para tornar a Palestina um membro pleno da ONU

Redação por Redação
6 Leitura mínima

Os EUA vetaram uma tentativa de tornar a Palestina num membro de pleno direito das Nações Unidas, rejeitando um esforço palestino para obter um reconhecimento internacional mais amplo.

Doze dos 15 membros do Conselho de Segurança votaram a favor da proposta nesta quinta-feira (18), enquanto o Reino Unido e a Suíça se abstiveram. Embora a Autoridade Palestina tenha recebido apoio suficiente para que a sua candidatura fosse submetida à Assembleia Geral para confirmação, o voto negativo dos EUA – que exerce poder de veto – foi suficiente para a bloquear.

As nações árabes reviveram a proposta de adesão plena, que foi originalmente rejeitada em 2011, num esforço para manter o ímpeto da causa palestina, à medida que o número de mortos civis na guerra entre Israel e os militantes do Hamas apoiados pelo Irã na Faixa de Gaza continua a subir. Os ministros das Relações Exteriores de países como o Irã, a Jordânia e a Argélia viajaram para Nova York para participar de um debate sobre o Oriente Médio que precedeu a votação.

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

O melhor caminho para a criação de um Estado palestino “é por meio de negociações diretas entre Israel e a Autoridade Palestina”, disse o vice-embaixador dos EUA na ONU, Robert Wood, após a votação.

Os aliados dos EUA, incluindo a França, o Japão e a Coreia do Sul, estavam entre os que votaram pela adesão plena da Palestina.

O veto dos EUA, que foi divulgado antecipadamente, é um aceno a Israel na ONU, depois de Washington se ter recusado a vetar uma resolução do Conselho de Segurança que pedia um cessar-fogo em Gaza, provocando atritos entre seus aliados. Desde então, os EUA tornaram-se mais críticos em relação à abordagem de Israel à guerra, ao mesmo tempo que continuam a apoiá-lo no campo de batalha.

Se você gostou desse post, não esqueça de compartilhar!

Embora o veto dos EUA reafirme a estreita relação entre os dois aliados, também é provável que os isole ainda mais na ONU. Pela quarta vez desde o início da guerra, os EUA terão de justificar o seu veto perante a Assembleia Geral de 193 membros – que é muito mais ativa sobre os direitos dos palestino e crítica das políticas de Israel do que foi em 2011. A Assembleia Geral, que é mais representativa, mas menos poderosa que o Conselho de Segurança, votou esmagadoramente a favor de um cessar-fogo em Gaza meses atrás.

Desde 2012, a Palestina tem o status de “Estado observador” na ONU.

“Cada voto”

O embaixador de Israel na ONU, Gilad Erdan, disse que reconhecer um Estado palestino tornaria as negociações futuras praticamente impossíveis. “Enquanto os palestinos sentirem que podem explorar este órgão politizado em seu benefício, por que se preocupariam na mesa de negociações ou apoiariam qualquer compromisso?”, ele disse.

Mas Ziad Abu Amr, representante especial do presidente da Autoridade Palestina, disse: “Para aqueles que dizem que o reconhecimento do Estado Palestino deve acontecer por meio de negociações, e não por meio de uma resolução da ONU, nos perguntamos mais uma vez: como foi estabelecido o Estado de Israel?”.

Embora o veto dos EUA fosse amplamente esperado, os palestinos também encararam a votação como um termômetro para avaliar o apoio internacional à sua causa. “Os Estados que apoiam a nossa adesão estão tomando uma posição importante, que deve ser reconhecida e apreciada”, disse o vice-embaixador palestino, Majed Bamya, antes do Conselho de Segurança.

Olhando para o futuro, a França trabalha numa resolução do Conselho de Segurança sobre o conflito que poderá abrir caminho ao reconhecimento de um Estado palestino na ONU, observando que a maioria dos Estados-membros já o reconhece como um país. Nações como a Espanha e a Eslovênia também indicaram que estão se preparando para reconhecer um Estado palestino.

“Não podemos esperar mais”, disse o ministro das Relações Exteriores espanhol, José Manuel Albares, ao Conselho de Segurança na quinta-feira. “Esta é uma questão de justiça para a Palestina, constitui a melhor garantia de segurança para Israel e é a primeira e mais fundamental condição para o futuro da paz na região.”

© 2024 Bloomberg L.P.

Fonte: Externa

ofertas amazon promoção
Clique acima para adicionar um desconto excluivo na Amazon! Aproveite as ofertas de hoje.