Os 10 piores hábitos alimentares para inflamação

Redação por Redação
4 Leitura mínima

Créditos: image_jungle/istock

Conheça algumas maneiras pelas quais os hábitos alimentares podem levar à inflamação

Os hábitos alimentares desempenham um papel crucial na saúde do nosso corpo, e certos padrões alimentares podem contribuir para a inflamação.

Seja crônica, aguda ou ambas, praticamente todas as pessoas já experimentaram inflamação. 

Em termos simples, você pode pensar nisso como a resposta do corpo a uma lesão ou infecção bacteriana – dor, vermelhidão, inchaço, calor e assim por diante. 

Por um lado, a inflamação é uma parte essencial do mecanismo de defesa do corpo. 

Quando você sofre uma lesão aguda ou doença bacteriana, seu sistema imunológico envia células inflamatórias para a área afetada como forma de iniciar a cura. 

Mas se o seu corpo começar a enviar esses sinais de forma consistente quando você não tiver uma lesão ou infecção, pode ser um sinal do que é conhecido como inflamação crônica. 

A inflamação crônica, que pode durar meses ou até anos, está diretamente ligada a problemas de saúde como diabetes e doenças cardiovasculares.

Muitos fatores podem levar à inflamação crônica, como estresse, tabagismo, doenças existentes, consumo excessivo de álcool e dieta inadequada. 

Mas quando se trata de dieta, quais os hábitos alimentares que podem levar a uma inflamação?

Saiba como certos hábitos alimentares contribuem para inflamação

Créditos: Vadym Petrochenko/istock

Saiba como certos hábitos alimentares contribuem para inflamação

Excesso de açúcar adicionado

Os açúcares adicionados, especialmente aqueles presentes em alimentos e bebidas processados, têm sido fortemente associados à inflamação, e esses açúcares podem aumentar os níveis de mensageiros inflamatórios chamados citocinas.

Um relatório publicado na Frontiers in Immunology também sugere que dietas ricas em açúcar processado podem contribuir para doenças inflamatórias como artrite reumatoide, doença inflamatória intestinal, psoríase e esclerose múltipla.

Carência de frutas e vegetais

Casos de inflamação excessiva podem ser um sinal de falta de frutas e vegetais na dieta.

Esses grupos de alimentos são ricos em antioxidantes e compostos anti-inflamatórios que podem reduzir significativamente os marcadores inflamatórios no organismo.

A ciência confirma isso. Um relatório publicado no The American Journal of Clinical Nutrition afirma que, além de reduzir os marcadores inflamatórios, comer mais desses alimentos pode melhorar as células imunológicas.

Excesso de carne processada

Carnes processadas – como bacon e salsicha – contêm produtos finais de glicação avançada (AGEs), um componente que pode causar inflamação no corpo.

Os AGEs são formados quando os açúcares redutores reagem com as proteínas sob altas temperaturas. Esses compostos podem tornar os alimentos saborosos, mas podem não ser bons para a nossa saúde geral.

Por isso, o melhor é limitar o consumo desse tipo de alimento se estiver tentando evitar o aumento da inflamação.

Excesso de adoçantes artificiais

Pode ser um pouco confuso porque muito açúcar adicionado pode levar a mais inflamação.

No entanto, ao mesmo tempo, alternativas ao açúcar, como adoçantes artificiais, também têm sido associadas a respostas inflamatórias.

Em um estudo publicado na Nature, os resultados mostram que o consumo de adoçantes artificiais pode alterar a composição das bactérias encontradas no intestino.

E não só as bactérias nocivas sofrem um impacto, mas principalmente as bactérias boas.



Fonte: Externa

ofertas amazon promoção
Clique acima para adicionar um desconto excluivo na Amazon! Aproveite as ofertas de hoje.